Como Superei a Minha Ansiedade Completamente

0
182

Minha ansiedade era a única coisa que me impedia de conseguir um novo emprego, mas eu não conseguia controlá-la.

Entre 2007 e 2012 eu tive uma empresa de software e admito que foi uma grande escola, especialmente sobre o que não deve ser feito num negócio. 🙂 Aprendi mais errando do que acertando. Posso dizer que os dias se passavam, mas a única coisa que ficava era a ansiedade me consumindo, dia pós dia. Aliás, não somente permanecia ali, mas aumentava. Essa incerteza incômoda do futuro era o que permeava minha mente e só via medo, medo e medo.

Lembro de uma viagem que fiz para a Argentina em 2009 com a minha esposa. Foi a primeira viagem ao exterior e eu estava em parte muito feliz com isso, mas a ansiedade que vinha do pensamento de deixar meus clientes no Brasil precisando de mim me tiravam o prazer do momento e juro que decolamos de Recife com o estômago revolto e esse mal estar me perseguiu até o retorno… Mais do que isso, durou semanas após o retorno, uma vez que pensava “preciso pagar o cartão de crédito com as compras da viagem… Aonde vou conseguir?? Para quem vou ligar? E como pagar as despesas de aluguel da sala e os funcionários…”. Caramba, como isso me consumia!

Sabe, a primeira coisa que vem à consciência de quem está cronicamente ansioso é que o único que está vivenciando isso nas redondezas é ele mesmo. Os problemas dos outros e suas barreiras deixam de ser percebidas por nós quando estamos neste estado crônico. E por que estou dizendo isso?

Bem… Quando eu viajei com a minha esposa, fomos para curtir a viagem, conhecendo as ruas românticas da antiga cidade de Buenos Aires, tomar café nos atrativos restaurantes do centro histórico, conhecer a história de músicos famosos da Argentina, como Carlos Gardel. Mas o que vou relatar a seguir não foi bem o que posso chamar de prazeroso, em especial à minha esposa, já que hoje posso entender melhor o que ocorreu.

A cada hora (ou menos do que isso), eu buscava uma forma de me comunicar com meu email para verificar se havia mensagens da minha equipe ou de clientes, uma vez que havia novos sistemas em implantação. Isso ocorria durante o dia inteiro, mas a cada momento que recordava deles, me dava um frio na barriga e eu tinha que correr para um “locutório” (local que havia cabines telefônicas e que se podia pagar pelo uso para fazer chamadas e acessar a Internet), abrir meu notebook e fazer uma checagem. Isso mesmo, uma pessoa levando um notebook pelas ruas de Buenos Aires para ver o que os clientes estão falando…”.

O que faria com que um brasileiro saísse com seu notebook durante 15 dias de passeio na bela Buenos Aires, entre apresentações de tango, restaurantes típicos, feirinhas de rua, museus e até durante um passeio de barco no rio Tigre? O que faria esse brasileiro andar assim e ainda parando a cada 40min a 1 hora para se conectar à Internet? Resposta: ANSIEDADE.

Por que afirmo isso? Porque não havia nenhum motivo real ou necessidade emergencial ou sequer havia um único cliente tentando se comunicar comigo sobre qualquer sistema que estivesse fora do ar ou aprensentando falhas. Não havia qualquer indício que a minha empresa estivesse realmente precisando de mim durante esses horários de passeio e ainda sim eu precisava olhar a todo instante se estava ocorrendo algo.

A única coisa que me fazia levar o notebook comigo para meu passeio turístico era uma emoção de dúvida e de medo do futuro, chamada ansiedade.

Vou fazer uma pergunta: Você verdadeiramente acredita que um sentimento negativo que você esteja sentindo dia após dia apenas afeta você? Sei que já sabe da resposta e ela é NÃO! Esse sentimento desagradável e frequente não acaba somente com quem sente, mas com quem está por perto.

Lembro da minha esposa dizendo “você precisa mesmo parar agora para se conectar? Precisamos comer alguma coisa…” ou “Levamos mais tempo que havíamos calculado e ainda tem 3 lugares para visitar… Se pararmos agora, talvez tenhamos que tirar essa visita aqui do roteiro” (isso com rosto contrariado). Sempre que estive ansioso, eu AFETEI também quem estava comigo.

Após quinze dias, voltamos para Recife e continuamos nossas vidas. Fui tocando a empresa como pude e após pouco tempo eu precisei encerrá-la.

Continuei o que chamo de verdadeira guerra para continuar meus projetos e até cheguei a buscar trabalho com CLT (muito diferente do que eu realmente gostaria). Tudo parecia sempre ameaçador e, naquela época, nada era prazeroso porque eu sempre estava ansioso.

Eu acordava ansioso, passava o dia na ansiedade e dormia ansioso, se é que posso dizer que realmente dormia.

Os anos se passaram, tomei medicamentos para acalmar, fiz mil e uma sessões de diversas terapias convencionais e apenas via a nuvem da infelicidade me acompanhar. Acho que a nuvem de carga emocional costumava ser tão grande e densa, que se eu entrasse num elevador em determinados momentos assim, talvez ele nem saísse do térreo. 🙂

A virada de chave foi quando soube que havia uma técnica que várias pessoas ao redor do mundo haviam usado para aliviar a ansiedade e a depressão. Ela se chamava Dianética e descobri que tinha em São Paulo um grupo que oferecia essas sessões. Lembro que esse momento foi nos últimos meses de 2013, no final da tarde num dia de semana, enquanto estava sentado no meu sofá com minha esposa. Estávamos vendo um filme e eu nem conseguia me concentrar para assistir, pois estava com aquele pensamento que não me saída da cabeça: “como consigo parar essa ansiedade? Estou paralisado nisso…”.

Na época eu estava vendendo consultorias em TI (Tecnologia da Informação), mas quase não tinha clientes porque simplesmente não tinha forças para buscar. A onda de pessimismo, medo e zero autoconfiança diziam para mim que “você não vai conseguir clientes”, “você já tentou de tudo e o problema está na cidade” e “o que vou dizer para minha esposa sobre não ter conseguido dinheiro?”…

Voltando ao sofá, neste momento, enquanto buscava uma saída na Internet para a ansiedade crônica, vi o site da Dianética Brasil, fiz contato com eles e perguntei se realmente poderiam fazer algo para me ajudar. Lembro como se fosse hoje. Fui atendido com muita amabilidade e todas as minhas dúvidas foram esclarecidas. A pessoa que me atendeu, um homem com voz muito serena, me orientou primeiro a fazer um teste online. Fiz o teste e já agendei minha ida a São Paulo. Neste momento eu morava em Caruaru (130km de Recife) e a 2.600 km de São Paulo).

Com todas as dívidas que tinha, pedi ajuda à minha mãe e minha esposa. Comprei as passagens de ida e volta e alguns dias depois eu estava em São Paulo.

Ao chegar em São Paulo, fui ultra super hiper bem recebido pela mesma pessoa que falou ao fone e ele se chama Euri. Euri foi muito paciente comigo porque eu estava muito nervoso e dizia que precisava voltar em dois dias para Recife porque não tinha dinheiro para ficar mais em São Paulo.

Recordo que ele fez a avaliação do teste junto comigo, me mostrando o gráfico. Depois perguntou se eu gostava de ler. Eu disse que não estava conseguindo me concentrar, mas que seguiria qualquer recomendação de leitura para melhorar de verdade aquela ansiedade.

Neste sábado em que estive lá eu trouxe comigo alguns livros sobre Dianética e aprendi uma técnica para melhorar meu relacionamento com a minha mãe, com quem eu não andava bem há anos.

Resultado: Ao voltar para Recife eu usei essa técnica com a minha mãe e consegui abraçá-la depois de quase 20 anos. Ambos ficamos muito felizes e foi aí que começamos uma nova fase em nossas vidas.

Algum tempo depois fiz as sessões de Dianética e recordo que em menos de 15h de sessão (aproximadamente no 3º dia que fui), eu retirei um peso absurdo de carga emocional, ou seja, de medo e ansiedade que carregava dentro de mim por momentos ruins do passado. Eu lembro de ter voltado para minha cidade num estado de leveza que talvez tenha sentido apenas na minha infância.

Hoje parece tão distante desta realidade que relatei aqui! Atualmente tenho diversos casos de sucesso em negócios que tive. Além disso, por onde passo, as pessoas desejam trabalhar comigo, ser meus sócios e até comprar de mim o que produzo. Se eu estivesse buscando, poderia ter qualquer emprego que eu quisesse. Sabe por quê? Autoconfiança, certeza e disposição total para fazer. Hoje estou completamente firme e forte nos meus objetivos e propósitos. Essa mesma determinação já me levou a rodar metade do mundo nos momentos mais felizes que tive. E o mais interessante é que continuo a acumular o “novo melhor momento que tive”. Estou sempre tendo mais momentos bons na vida e na companhia da minha esposa que só tem a agradecer por meu esforço em me tornar melhor e melhor e melhor.

Bem, isso é o que queria compartilhar com você. Uma experiência muito positiva na minha vida.

A propósito, o teste que fiz foi neste endereço abaixo. A pessoa faz o teste e faz a avaliação na sede, presencialmente com um especialista em desenvolvimento pessoal:
https://dianeticabrasil.com.br/teste

Espero que este post tenha sido útil para você. É parte da história de alguém que lutou, lutou e lutou muito para superar suas barreiras pessoais.

Com afinidade,
Tony Carvalho